NA TV | Nappily Ever After

by - 22:31


Hello ♥ Violet Jones (Sanaa Lathan) é uma publicitária muito bem-sucedida que considera a sua vida perfeita, tendo um ótimo namorado e uma rotina organizada meticulosamente para conseguir estar sempre impecável e "perfeita". Após uma enorme desilusão, ela resolve repaginar o visual e o caminho de aceitação de seu cabelo está totalmente ligado à sua reformulação como mulher, superando traumas que vêm desde a infância e pela primeira vez se colocando acima da opinião alheia.

Já tinha ouvido falar imenso sobre o novo filme da Netflix sobre aceitação e em especial sobre este tema que é o perfeccionismo que a sociedade impõe ao publico feminino. Posso dizer que só pelo trailer me deixei apaixonar e que me gerou uma curiosidade imensa em ver o filme, decidi ver sem ler ou ouvir outras opiniões do filme para que fosse uma experiência boa para mim e para que não fosse influenciada pelas opiniões gerais. Surpreendeu-me em todos os aspectos, desde a história à realização, foi um filme que me tocou e que me passou uma mensagem enorme! Identifiquei-me com alguns aspectos do filme, nomeadamente a parte de que quando era mais nova tinha esta coisa de ser o mais perfeita possível para agradar aos outros, em especial ao factor masculino. Afinal desde novas que somos "obrigadas" a isso mesmo: ser boas donas de casa, ser boas mulheres, respeitosas e certinhas para encontrar-mos um homem perfeito e nos casar-mos e assim viver-mos a vida "perfeita", que no final de contas não existe. E este filme abrange muito disso, desde o facto de ter-mos uma mulher que se "obriga" a ela mesma a ter tudo sobre controle e ter a vida toda planeada para que essa seja perfeita! Uma pura ilusão criada à sua volta como uma felicidade não-real, inventada por ela mesma, e tudo isto refletido numa coisa tão simples como o cabelo.

PHOTO: TINA ROWDEN / NETFLIX


Violet, sofreu uma lavagem cerebral por parte da sociedade, nomeadamente pela própria mãe, em que o cabelo natural era algo que precisava ser "consertado", que não era aceitável nem bonito! E é uma realidade de hoje em dia, apesar de já estarmos em tempos em que cabelos encaracolados e crespos são bonitos e devem ser mostrados, o cabelo liso continua a ser usado pela media como marca da imagem de uma mulher perfeita e bonita. Tal como a personagem Violet, existem muitas raparigas que não têm a oportunidade de a própria mãe incutir em si que o seu cabelo é bonito do jeito que é, que elas são bonitas do jeito que são, acabando assim por esconder a sua beleza natural. Desde pequena que me lembro que a minha mãe não sabia "cuidar" do meu cabelo, na minha família foram poucas as mulheres que nasceram com cabelo encaracolado, e as que nasceram, rapidamente esticaram o cabelo com progressivas e outros químicos, e por isso eu cresci sem saber cuidar de cabelo encaracolado. Quando cheguei à fase dos meus 12/13 anos tudo o que eu fazia era esticar o meu cabelo todos os dias, só me sentia bem desse jeito, mas rapidamente ao chegar aos 15/16 isso mudou, aprendi a cuidar do meu cabelo e usar os meus longos caracóis. Deixei o cabelo crescer e desde então que nunca mais toquei num alisador até hoje. A maquilhagem também foi algo que usei excessivamente para esconder as minhas imperfeições durante muito tempo. Na minha cabeça eu tinha de ser perfeita como as raparigas das redes sociais ou da escola. Mas eu cresci, tornei-me confiante e segura em mim mesma, e hoje digo que aos poucos a opinião dos outros pouco vai importando, que a maquilhagem já fica muito mais na gaveta. 

Apesar de tudo isto, eu sei que ainda serei condicionada pelos padrões de beleza, que terei dias em que não me sentirei bonita, que me olharei ao espelho e pensarei nas mil e uma coisas que poderia mudar em mim. Eu sei que isso não faz sentido, mas mesmo o próprio filme nos mostra que é a nossa realidade, e que o processo de aceitação é muito mais do que mudar de visual. É encontrarmos-nos interiormente e aceitar-mos do jeito que somos, sem filtros, sem coisas a esconder debaixo do tapete. O Nappily Ever After é um filme sobre se apaixonar por si mesmo, mas feito através do vínculo com cabelo. Para a personagem, a evolução do cabelo representa um passo fora da caixa, que a sociedade desenha e diz que nós temos de estar, e decidir quem ela realmente é. E isso é algo que todas as mulheres deveriam ser capazes de fazer. 


"Todos os dias eu recebo uma lição que me ensina que eu não posso deixar que o que os outros pensam de mim me defina"  ― Trisha R. Thomas, Nappily Ever After. 

You May Also Like

2 comentários

  1. Eu vi esse filme e chorei o tempo inteiro porque identifiquei-me muito com a Violet e o facto do cabelo crespo ter sempre que ser consertado algo que ouvi desde nova então sempre passei por juitas mudanças.
    Deixei de fazer muitas coisas por causa do cabelo e hoje sou livre e uma outra mulher e o filme retrata muito bem.
    Beijinhos!
    https://grandesonhadorablog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Wooow, já tinha lido uma ou duas opiniões acerca deste filme, mas sem dúvida que foi aqui que me senti motivada a assisti-lo!! Esse gatilho do cabelo chamou-me à atenção, porque também eu estou a passar por um processo semelhante: o da transição, aceitação e aprendizagem! Faz quase 2 anos que não uso químicos e alisantes no cabelo e nunca me senti tão livre!!

    LYNE, IMPERIUM BLOG

    ResponderEliminar